http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/issue/feed Revista Pan-Amazônica de Saúde 2019-01-21T12:10:35+00:00 Núcleo Editorial revista@iec.gov.br Open Journal Systems <p><img src="http://revista.iec.gov.br/img/pt/logo.jpg" alt="Revista Pan-Amazônica de Saúde"></p> <p>&nbsp;</p> <p><a href="/submit/index.php/rpas/user/register"><strong>CADASTRE-SE</strong></a><strong>&nbsp;</strong>agora mesmo e envie seu trabalho para publicação. Se você já está cadastrado, acesse um dos links abaixo:</p> <p>&nbsp;</p> <table border="0" cellspacing="0"> <tbody> <tr> <td width="150"><a title="enviar artigo" href="/submit/index.php/rpas/submission/wizard"><img src="/submit/public/site/images/ojsadmin/img1pt.gif" alt="Click para enviar um artigo" width="150" height="99" border="0"></a></td> <td width="14">&nbsp;</td> <td width="150"><a href="/submit/index.php/rpas/submissions"><img src="/submit/public/site/images/ojsadmin/img2pt.gif" alt="Click para rastrear seu artigo" width="150" height="99" border="0"></a></td> <td width="14">&nbsp;</td> <td width="150"><a href="/submit/index.php/rpas/submissions"><img src="/submit/public/site/images/ojsadmin/img3pt.gif" alt="Click para revisar um artigo" width="150" height="99" border="0"></a></td> </tr> </tbody> </table> <p>&nbsp;</p> <p style="text-align: justify;">&nbsp;A&nbsp;<strong>Revista Pan-Amazônica de Saúde</strong>&nbsp;(ISSN 2176-6215, ISSN-e 2176-6223) é o periódico científico editado, desde 2010, pelo&nbsp;<a href="http://www.iec.gov.br/portal/" target="_blank" rel="noopener">Instituto Evandro Chagas</a>, órgão de pesquisa e saúde pública da Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde. Com periodicidade trimestral, publica artigos nos campos epidemiológico, entomológico, ecológico, antropológico, socioeconômico, dos imunobiológicos, do meio ambiente e outros relacionados à saúde humana. Aceita contribuições em português, inglês e espanhol e, na versão eletrônica, disponibiliza artigos completos nos três idiomas, sem nenhum custo para o autor. Adota o sistema de avaliação por pares (<em>peer review</em>), segundo o qual cada artigo é avaliado por, no mínimo, dois pareceristas. Seu Corpo Editorial é formado por renomados pesquisadores nacionais e internacionais. Dispõe de DOI (<em>Digital Object Identifier</em>), o que facilita sua localização e acesso na Internet. Permite a inclusão de material suplementar – como áudio, vídeo, planilha, slide e outros. É indexada nas bases&nbsp;<a href="http://www.latindex.unam.mx/" target="_blank" rel="noopener">Latindex</a>,&nbsp;<a href="http://www.crossref.org/" target="_blank" rel="noopener">CrossRef</a>&nbsp;e&nbsp;<a href="http://www.freemedicaljournals.com/" target="_blank" rel="noopener">Free Medical Journals</a>, além das bases de dados da&nbsp;<a href="http://www.bvsdip.icict.fiocruz.br/" target="_blank" rel="noopener">BVS DIP – ICICT/Fiocruz</a>,&nbsp;<a href="http://bvs.iec.gov.br/iec/" target="_blank" rel="noopener">BVS IEC</a>&nbsp;e&nbsp;<a href="http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_serial&amp;pid=2176-6223&amp;lng=pt&amp;nrm=iso" target="_blank" rel="noopener">Portal de Periódicos Eletrônicos do IEC</a>&nbsp;(Metodologia SciELO).</p> <p>&nbsp;</p> <p><strong><a class="tx10" href="http://revista.iec.gov.br/htm/pt/instruction.htm" target="_blank" rel="noopener">Clique aqui para acessar as Normas para Publicação</a></strong>.</p> http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/120 Novos desafios rumo aos 10 anos da Revista Pan-Amazônica de Saúdeios rumo aos 10 anos da Revista Pan-Amazônica de Saúde 2019-01-21T12:10:33+00:00 Marinete Marins Póvoa teste@teste.com Marcelo de Oliveira Lima teste@teste.com 2018-10-23T17:49:28+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/122 Pandemias de influenza e a estrutura sanitária brasileira: breve histórico e caracterização dos cenários 2018-10-23T17:57:20+00:00 Ligia Maria Cantarino da Costa ligiacantarino@unb.br Edgar Merchan-Hamann teste@teste.com <p>A influenza é reconhecida, mundialmente, pela sua capacidade de gerar ondas epidêmicas e pandêmicas com anotações das principais características virológicas, clínicas e epidemiológicas, incluindo sua mortalidade e letalidade e o contexto da sua ocorrência em caráter pandêmico. A estrutura sanitária brasileira frente à história das pandemias é caracterizada de forma breve. Aspectos da vigilância em diferentes animais também são abordados, face à possibilidade de propagação do vírus Influenza para a população humana. A abordagem histórica contribui para alertar sobre a importância da influenza enquanto virose respiratória de caráter zoonótico, alta capacidade de transmissão e distribuição global e a necessidade crescente de resposta articulada de governos.</p> 2018-10-23T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/123 Linfoma de Hodgkin: aspectos epidemiológicos e subtipos diagnosticados em um hospital de referência no Estado do Pará, Brasil 2018-10-23T18:25:20+00:00 Talita Antonia Furtado Monteiro talitamonteiro@iec.pa.gov.br Maria Vanda Catão Arnaud teste@teste.com José Luiz Furtado Monteiro teste@teste.com Marcos Rogério Menezes da Costa teste@teste.com Pedro Fernando da Costa Vasconcelos teste@teste.com <p>Os linfomas são neoplasias do sistema imunitário com origem em linfócitos B, T ou células&nbsp;<em>natural killer&nbsp;</em>que envolvem os tecidos linfoides que estão associados ao crescimento de massas tumorais. O linfoma de Hodgkin (LH) é uma neoplasia linfoproliferativa caracterizada histopatologicamente pela presença de células neoplásicas com variada morfologia denominadas&nbsp;<em>Reed-Sternberg</em>. O objetivo deste trabalho foi descrever o perfil epidemiológico e subtipos dos LH diagnosticados no período de 1996 a 2005 no Hospital Ophir Loyola em Belém, Estado do Pará, Brasil. Do total, 64,6% (42/65) dos pacientes com LH eram do sexo masculino e 35,4% (23/65) do feminino com faixa etária variando entre 2 e 84 anos. Os subtipos de LH registraram taxas de 50,8% (33/65), 26,2% (17/65), 15,4% (10/65) e 7,6% (5/65) para esclerose nodular, celularidade mista, depleção linfocitária e predominância linfocitária, respectivamente. Os LH, na década do estudo (1996-2005), foram mais expressivos na faixa infanto-juvenil, na qual prevaleceu o subtipo esclerose nodular nas amostras diagnosticadas no Estado do Pará.</p> 2018-10-23T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/132 Serovigilância para hantavírus em trabalhadores urbanos e rurais no Estado de Pernambuco, Brasil 2019-01-21T12:10:34+00:00 Gesika Maria da Silva gesika.silva@yahoo.com.br Júnior Mário Baltazar de Oliveira teste@teste.com Helena do Socorro de Oliveira Santos teste@teste.com Daniel Friguglietti Brandespim teste@teste.com Alessandra Abel Borges teste@teste.com Nedja Poliane Torres Medeiros teste@teste.com José Alfredo dos Santos-Júnior teste@teste.com José Wilton Pinheiro, Junior teste@teste.com <p>O objetivo do presente estudo foi determinar a prevalência de anticorpos para hantavírus em profissionais responsáveis pela limpeza urbana (coletores de lixo, capinadores e varredores de rua), catadores de material reciclado e trabalhadores rurais no Município de Garanhuns, no Estado de Pernambuco, Brasil. Considerando a escassez de dados sobre hantavírus em Pernambuco, foi realizada uma análise descritiva, transversal, epidemiológica. Foram obtidas 156 amostras de trabalhadores de uma empresa de terceirização de limpeza urbana, catadores de material para reciclagem e trabalhadores rurais. O método ELISA foi utilizado para detecção de anticorpos IgG contra a proteína N do hantavírus&nbsp;<em>Araraquara.&nbsp;</em>A prevalência de anticorpos para hantavírus foi de 1,9% (3/156; CI 0,4% -5,5%). Após a conclusão da titulação, duas amostras de reagentes foram encontradas com títulos de 200 (66,7%) e 400 (33,3%). Todos os indivíduos soropositivos deste estudo eram do sexo masculino e de áreas urbanas. Este foi o primeiro estudo realizado no Município de Garanhuns para relatar a presença de anticorpos IgG para hantavírus em amostras de soro humano. Este resultado identifica a necessidade de uma atenção especial das autoridades de vigilância epidemiológica nas investigações da ocorrência desta doença em áreas não endêmicas.</p> 2018-11-08T12:41:49+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/134 Resultados de sorologia para casos de sífilis em campanha de município no norte do Brasil 2019-01-21T12:10:34+00:00 Eunice Costa da Silva teste@teste.com Liliane Silva do Nascimento lilianenascimento2001@gmail.com Miracy Rebêlo Tupinambá teste@teste.com Felipe Alves Safh Domingues da Silva teste@teste.com Josie Rodrigues Vieira teste@teste.com Sâmia Cristine Rabelo Borges teste@teste.com <p>A Organização Mundial da Saúde calcula que ocorram aproximadamente 12 milhões de novos casos de sífilis por ano em todo o mundo. O objetivo deste trabalho foi avaliar resultados de campanha de busca ativa de casos de sífilis no Município de Belém, Estado do Pará, Brasil, intitulada "Belém no controle da sífilis". Esta campanha foi direcionada à população em idade fértil, acima de 15 anos. Foram selecionadas 12 Unidades Municipais de Saúde, com base no público-alvo e nos casos positivos dos Distritos de Saúde de Belém. No período de 24 de outubro de 2013 a 30 de outubro de 2013, foram coletadas sorologias e realizados 630 testes do tipo Teste Rápido Rapid Check Sífilis. Os resultados da campanha mostraram que a positividade da sorologia para sífilis na população amostrada foi de 6%, correspondendo a 40 casos com diagnóstico positivo. A faixa etária de maior prevalência foi a de 21 a 40 anos no sexo feminino e de 31 a 50 anos no sexo masculino. A campanha demonstrou eficácia no diagnóstico para sífilis, fortalecendo os preceitos da promoção de saúde e da prevenção de agravos que incidem na mortalidade materna e fetal. Recomenda-se que os serviços de saúde participem ativamente das campanhas de diagnóstico ofertadas pelas redes de saúde, e que disponibilizem continuamente aos usuários a testagem rápida e o tratamento para os casos positivos.</p> 2018-11-08T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/135 Avaliação das ações da vigilância de contatos domiciliares de pacientes com hanseníase no Município de Igarapé-Açu, Estado do Pará, Brasil 2018-11-08T17:54:09+00:00 Diana da Costa Lobato teste@teste.com Dilma Costa de Oliveira Neves teste@teste.com Marília Brasil Xavier teste@teste.com <p>A redução do risco de adoecimento entre os contatos domiciliares de casos é um dos alvos das ações de vigilância e controle da hanseníase. Esta pesquisa teve como objetivo avaliar as ações de vigilância de contatos de hanseníase no Município de Igarapé-Açu, Estado do Pará, Brasil, no período de 2004 a 2008. Foi realizado um estudo descritivo, retrospectivo, quantitativo e populacional, com informações geradas pelo Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan) e por protocolo de pesquisa próprio, tendo sido identificados 128 casos índices no Sinan municipal, dos quais 53 foram resgatados e entrevistados, ocasião em que 133 contatos foram identificados. Entre os casos índices predominaram o sexo feminino (68%), os maiores de 15 anos de idade (79%) e a forma operacional multibacilar (66%). Entre os contatos, a maioria era do sexo masculino (52,63%), tinha ensino fundamental completo (42,10%), solteiros (42,85%), desempregados (55,63%), com renda familiar inferior a um salário mínimo (60,15%) e com uma cicatriz da vacina BCG-ID (67,67%). A taxa de contatos não avaliados foi de 84 (63,16%), e destes, de acordo com a classificação operacional do caso índice, 56 (66,70%) foram contatos de casos multibacilar; 13 (37,14%) dos casos índices multibacilares foram contatos intradomiciliares de casos de hanseníase anteriores ao período estudado. O município estudado apresentou avaliação precária dos contatos intradomiciliares de acordo com os parâmetros do Ministério da Saúde, o que reforça a necessidade da intensificação das ações de vigilância e controle da hanseníase em municípios endêmicos/hiperendêmicos.</p> 2018-11-08T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/140 Soroprevalência da infecção pelos vírus das hepatites A, B, C, D e E em município da região oeste do Estado do Pará, Brasil 2018-11-13T11:39:08+00:00 Heloisa Marceliano Nunes heloisanunes@iec.pa.gov.br Manoel do Carmo Pereira Soares teste@teste.com Vânia Pinto Sarmento teste@teste.com Andreza Pinheiro Malheiros teste@teste.com Ana Maria Borges, (in memoriam) teste@teste.com Ivanilda Silva da Silva teste@teste.com José Fábio da Paixão teste@teste.com <p>Em pesquisa sobre a prevalência de infecção pelos vírus das hepatites na sede do Município de Juruti, oeste do Estado do Pará, Brasil, realizada entre fevereiro de 2007 e abril de 2008, foi demonstrada a necessidade de ampliar estudos de soroprevalência baseados em comunidades. Objetivando atender essa necessidade, o estudo foi ampliado para definir a prevalência das infecções pelos vírus das hepatites A (VHA), B (VHB), C (VHC), D (VHD) e E (VHE), entre fevereiro de 2007 e novembro de 2010, envolvendo amostras de soro de indivíduos residentes na sede e nas localidades rurais Café Torrado, Jauari, Nova Galiléia, Vila Muirapinima e Lago Jará, do Município de Juruti, com estimativa de população de 52.755 habitantes em 2014. Tais amostras foram submetidas à análise dos marcadores sorológicos das hepatites A, B, C, D e E, por técnica imunoenzimática. Nas amostras positivas para VHB e VHC, foram realizadas pesquisas para detecção do VHB-DNA e VHC-RNA. Entre as 4.003 amostras examinadas, ocorreu prevalência de 86,2% para o anti-VHA total+; de 0,6% para o HBsAg+; 8,3% anti-HBc+/anti-HBs+; 1,7% anti-HBc<sup>+</sup>&nbsp;isolado; 33,4% anti-HBs<sup>+</sup>&nbsp;isolado e VHB-DNA<sup>+</sup>&nbsp;em 62,5% dos HBsAg<sup>+</sup>; 0,1% anti-VHC<sup>+</sup>. Entre estes, dois casos foram confirmados como portadores do VHC, por RT-PCR; entre os HBsAg<sup>+</sup>&nbsp;não foram detectados portadores do VHD. A análise de 463 amostras coletadas em três comunidades rurais do Município mostrou prevalência de anti-VHE+ de 1,9%. Foi caracterizada, em base laboratorial, alta prevalência de infecção do VHA e baixa prevalência de VHB, VHC, VHD e VHE na população examinada.</p> 2018-11-13T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/141 Avaliação da higienização das mãos de manipuladores de alimentos do Município de Ji-Paraná, Estado de Rondônia, Brasil 2018-11-13T13:53:38+00:00 Fabiane Seidler Ponath fabianeponath@hotmail.com Tiago Barcelos Valiatti teste@teste.com Fabiana de Oliveira Solla Sobral teste@teste.com Natália Faria Romão teste@teste.com Greice Mara Corrêa Alves teste@teste.com Graziella Pinetti Passoni teste@teste.com <p>O aparecimento de comércios de alimentos está em expansão, devido ao crescente número de refeições realizadas fora de casa, porém nem sempre esses comércios são sinônimos de qualidade. As bactérias são as principais causas de contaminações de alimentos, dentre elas se encontram&nbsp;<em>Staphylococcus aureus,&nbsp;</em>mesófilos e coliformes totais. Com o objetivo de avaliar a presença de micro-organismos indicadores de falta de higienização em mãos de manipuladores de alimentos, foram realizadas três coletas em cinco estabelecimentos em dias alternados, totalizando 15 amostras. Foram feitas as inoculações das amostras coletadas das mãos dos manipuladores em Placas 3M™ Petrifilm™ para análise quantitativa de unidades formadoras de colônias. Observou-se que todas as amostras analisadas apresentaram-se fora do padrão estabelecido pela Organização Pan-Americana da Saúde que determina a contagem máxima de 10<sup>2</sup>&nbsp;UFC/mão, acima deste valor é considerado contaminação. Avaliando os cinco estabelecimentos analisados, o quarto e o quinto foram os que apresentaram maiores índices de contaminação microbiológica, porém todos os estabelecimentos apresentaram índices de contaminação superior aos exigidos para os três micro-organismos analisados. Conclui-se que a falta de informação de como higienizar as mãos de maneira correta pode ter como consequência uma transmissão de micro-organismos patogênicos para os alimentos, podendo atingir seriamente a saúde do consumidor.</p> 2018-11-13T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/142 Análise da produção científica do Curcuma longa L. (açafrão) em três bases de dados após a criação da RENISUS 2018-11-14T13:40:37+00:00 Diorge Jônatas Marmitt diorgemarmitt@yahoo.com.br Claudete Rempel teste@teste.com Márcia Inês Goettert teste@teste.com Amanda do Couto e Silva teste@teste.com <p>O objetivo desta análise sistemática foi quantificar as publicações que descrevem potencial terapêutico para planta listada na Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS),&nbsp;<em>Curcuma longa&nbsp;</em>L., geradas entre 2010 e fevereiro de 2013 em três bases de dados científicas: SciELO,&nbsp;<em>Science Direct&nbsp;</em>e&nbsp;<em>Springer.&nbsp;</em>A análise dos 1.139 artigos encontrados nas bases de dados pesquisadas foi realizada inicialmente a partir da leitura do título, observando quais trabalhos mencionavam&nbsp;<em>C. longa&nbsp;</em>ou termos relacionados, como "curcumin", "curcumina", "turmeric", "turmérico", "açafrão" e "saffron". Os artigos elegidos nessa etapa foram analisados por meio da leitura do&nbsp;<em>abstract,&nbsp;</em>tendo sido selecionadas publicações que referiam tratamento terapêutico com a planta. Na última fase da avaliação, os artigos selecionados tiveram seu conteúdo lido na íntegra no intuito de eleger os que comprovavam potencial terapêutico a partir do uso ou aplicação de&nbsp;<em>C. longa.&nbsp;</em>Esta seleção resultou em 107 artigos de interesse, destes, 44 reportavam atividade anticarcinogênica e 11 apontavam atividade antidiabética para&nbsp;<em>C. longa.&nbsp;</em>Os resultados desta análise sistemática fornecem subsídios teóricos para discussões na saúde pública sobre tratamentos alternativos à base de&nbsp;<em>C. longa.</em></p> 2018-11-14T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/143 Alta circulação de enterovirus não pólio em crianças hospitalizadas com gastroenterite aguda em Belém, Estado do Pará, Norte do Brasil 2018-11-14T14:05:33+00:00 Bruna Daniele Lisboa Mota teste@teste.com Jacqueline Cortinhas Monteiro teste@teste.com Felipe Bonfim Freitas teste@teste.com Antônia dos Santos Alves teste@teste.com Edna da Silveira teste@teste.com Euda Galiza Primo teste@teste.com Clareana Costa Campelo Cunha teste@teste.com Ana Lúcia Monteiro Wanzeller teste@teste.com Alexandre da Costa Linhares teste@teste.com Fernando Neto Tavares fernandotavares@iec.pa.gov.br <p>Os enterovírus são transmitidos por vias fecal-oral e respiratória e pode ser associado a casos esporádicos e surtos de gastroenterite. Um agente causativo em aproximadamente 40% dos casos de diarreia que permanecem não diagnossticados. Enterovirus não pólio foram detectados em 46 (26%) de 176 amostras de fezes com diarreia, tanto no ensaio de RT-PCR em tempo real (rTR-PCR) como em semi-nested RT-PCR. Este estudo apresenta uma elevada circulação de enterovírus em crianças com gastroenterite aguda na Cidade de Belém, Estado do Pará, Brasil.</p> 2018-11-14T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/144 Mário Augusto Pinto de Moraes: as múltiplas facetas de um cientista amazônico que bem serviu a Região, ao País e a Ciência 2018-11-14T14:12:53+00:00 Gilberta Bensabath teste@teste.com 2018-11-14T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement##