Características clínicas e comorbidades associadas à mortalidade por insuficiência cardíaca em um hospital de alta complexidade na Região Amazônica do Brasil

Palavras-chave: Insuficiência Cardíaca, Prognóstico, Perfil de Saúde, Cardiopatias

Resumo

RESUMO

OBJETIVOS:

Identificar as características clínicas e socioepidemiológicas de pacientes com insuficiência cardíaca (IC) no atendimento de emergência em um hospital de alta complexidade na Região Amazônica do Brasil, assim como, as comorbidades associadas à mortalidade dos pacientes com IC descompensada.

MATERIAIS E MÉTODOS:

Estudo longitudinal e prospectivo, realizado em um hospital público de referência para emergência cardiológica na Região Norte do Brasil. Fizeram parte da pesquisa 125 pacientes com IC descompensada.

RESULTADOS:

Evidenciou-se que a principal etiologia da IC foi hipertensão arterial sistêmica (39,2%), seguida de cardiomiopatia dilatada idiopática (25,6%), sendo que a etiologia menos comum foi miocardite (0,8%). A causa mais comum de descompensação foi a má adesão à terapia medicamentosa dos pacientes (41,6%), seguida de infecções (21,6%). Os principais sintomas apresentados pelos pacientes foram dispneia (96,0%) e edema de tornozelos bilateral (72,0%). Quanto à mortalidade, não houve relação estatisticamente significativa entre o perfil hemodinâmico à admissão com a mortalidade dos pacientes com IC descompensada (p = 0,4559).

CONCLUSÃO:

Com relação às características clínicas, o principal perfil hemodinâmico encontrado foi o frio e congesto, considerado o de pior prognóstico. A má adesão à terapia medicamentosa e infecções foram as principais causas de descompensação, apesar de não ter sido encontrada correlação estatisticamente significante das mesmas com a mortalidade. Assim, deve-se orientar o paciente quanto à adesão correta ao acompanhamento do tratamento medicamentoso e aos sintomas da IC congestiva, para que procure ajuda em tempo hábil e, com isso, melhore sua qualidade de vida.

Publicado
2020-03-10
Seção
Artigo Original