Estudo soroepidemiológico do sarampo em populações residentes na Região Metropolitana de Belém, estado do Pará, Brasil, 2016 a 2018

Palavras-chave: Sarampo, Vacina, Erradicação de Doenças, Estudos Soroepidemiológicos

Resumo

RESUMO

OBJETIVO:

Investigar a soroprevalência de anticorpos contra o sarampo em adultos jovens, residentes em Belém e Ananindeua, estado do Pará, Brasil, visando identificar indivíduos suscetíveis.

MATERIAIS E MÉTODOS:

Estudo transversal, por conglomerado, de 2.220 indivíduos, sendo 1.109 de Belém e 1.111 de Ananindeua, da faixa etária de 15-39 anos, procedentes de escolas, faculdades, universidades, instituto de pesquisa e quartéis. Dados dos participantes foram coletados mediante questionário epidemiológico e digitados utilizando o software Epi-Info™ v7.0. O teste binomial foi utilizado para a análise de duas proporções por meio do programa BioEstat v5.3, nível de significância p < 0,05.

RESULTADOS:

A suscetibilidade geral para o sarampo foi de 17,2%, sendo 16,4% em Belém e 18,0% em Ananindeua, maior no sexo masculino, com ampla distribuição geográfica. Foi significativa a diferença na soropositividade em relação aos tipos de vacina recebida, tendo a vacina tríplice viral (SCR) os maiores percentuais, assim como a comparação das informações entre autorreferidos e comprovados por vacinação. Quanto ao número de doses, não houve significância na soropositividade entre os que referiram uma dose em relação a três doses da vacina contra o sarampo. Foi detectado um declínio dos níveis de anticorpos ao longo do tempo (20 anos) após a última vacinação.

CONCLUSÃO:

Existem grupos de suscetíveis formando bolsões de vulneráveis em ambos os munícipios, assinalando a necessidade do fortalecimento da vigilância epidemiológica e de estratégias de vacinação, diante da reintrodução do vírus, para o controle da doença no Brasil.

Publicado
2020-03-10
Seção
Artigo Original