Efetividade do tratamento com drogas antivirais de ação direta em pacientes com hepatite C atendidos em um centro de referência no estado do Pará, Brasil, de 2017 a 2019

Palavras-chave: Hepatite C Crônica, Antivirais, Sofosbuvir, Simeprevir, Ribavirina, Combinação de Medicamentos

Resumo

RESUMO

OBJETIVO:

Avaliar a efetividade e a tolerabilidade do tratamento da hepatite C com antivirais de ação direta em pacientes portadores de hepatite C crônica, atendidos no Ambulatório de Hepatologia da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém, estado do Pará, Brasil.

MATERIAIS E MÉTODOS:

Estudo transversal, realizado com 305 pacientes em tratamento com sofosbuvir (SOF), daclatasvir (DAC) ou simeprevir (SMV) de maio de 2017 a março de 2019. Foram analisados os prontuários de 250 pacientes que concluíram o tratamento nesse período, dos quais foram avaliados dados demográficos e clínicos.

RESULTADOS:

Observou-se predomínio do gênero masculino (50,40%), idade média de 61,21 anos e procedência de Belém (69,20). A maioria (54,00%) era portador de cirrose, e 40,80% relatou tratamento anterior. O genótipo 1 foi encontrado em 73,60%, e o genótipo 3, em 23,20% dos casos. O esquema de tratamento mais utilizado foi SOF, DAC e ribavirina (RBV) por 12 semanas. A taxa de resposta virológica sustentada (RVS) geral encontrada foi de 97,2%. Os não respondedores eram quatro do genótipo 3 e três do genótipo 1, sendo utilizados três esquemas com SOF+DAC+RBV por 12 semanas; dois esquemas com SOF+DAC por 12 semanas; um esquema com SOF+DAC por 24 semanas; e um esquema com SOF+SMV por 12 semanas.

CONCLUSÃO:

Os resultados deste estudo mostraram uma população predominantemente urbana, masculina, a maioria de cirróticos, com predomínio do genótipo 1. Ressalta-se a boa tolerância e a elevada efetividade dos novos antivirais de ação direta, com uma taxa global de RVS de 97,2%.

Publicado
2020-03-10
Seção
Artigo Original