Caracterização antigênica e molecular de vírus isolados de mosquitos capturados no Estado do Pará, Brasil

  • Juliana Abreu Lima Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Alana Watanabe de Sousa Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Sandro Patroca Silva Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Centro de Inovações Tecnológicas, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Landeson Junior Leopoldino Barros Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Daniele Barbosa de Almeida Medeiros Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Antônio Gregorio Dias Junior Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Sueli Guerreiro Rodrigues Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Pedro Fernando da Costa Vasconcelos Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Jannifer Oliveira Chiang Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas, Ananindeua, Pará, Brasil
Palavras-chave: Taxonomia, Sorologia, Filogenia, Arbovírus, Culicidae

Resumo

Os arbovírus estão amplamente distribuídos pelo mundo e, no Brasil, cerca de 200 espécies diferentes têm sido isoladas e muitas delas estão associadas a doenças em humanos. A maioria dos arbovírus está classificada na família Bunyaviridae que, por possuírem três segmentos de RNA, apresentam uma característica importante de rearranjo genético, formando novos vírus no mundo. O advento de novas ferramentas de biologia molecular para sequenciamento genômico, aliado aos clássicos testes sorológicos de fixação do complemento (FC), teste de neutralização (TN) e inibição da hemaglutinação (IH) permitem uma melhor caracterização e identificação viral, principalmente dos vírus frutos de rearranjos genéticos. Dessa forma, este estudo descreve as características sorológicas e moleculares de três isolados virais (BeAR 544767, BeAR 643361 e BeAR 701402) obtidos a partir de mosquitos no Estado do Pará pela Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas do Instituto Evandro Chagas. Os testes de FC e TN foram utilizados para a caracterização antigênica e, para a molecular, foram utilizadas duas plataformas de sequenciamento genômico: 454 FLX e Ion PGMTM. Pelo teste de FC foi possível definir que os três isolados apresentavam reação cruzada entre os vírus Tucunduba (VTUC) e vírus Taiassui. O TN definiu os isolados virais BeAR 544767 e BeAR 701402 como cepas do VTUC, sendo essa classificação confirmada também pela caracterização molecular para os três isolados virais em estudo. Portanto, os isolados virais BeAR 544767, BeAR 643361 e BeAR 701402 foram classificados como cepas do VTUC, dentro do grupo Wyeomyia, família Bunyaviridae, gênero Orthobunyavirus.

Publicado
2020-05-07
Seção
Artigo Original