Detecção de antígenos de rotavírus no soro de crianças hospitalizadas por gastroenterite aguda em Belém, Estado do Pará, Brasil

  • Maria Cleonice Aguiar Justino Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Virologia, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Erika Maria Nogueira de Abreu Campos Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Virologia, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Joana D'Arc Pereira Mascarenhas Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Virologia, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Luana da Silva Soares Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Virologia, Ananindeua, Pará, Brasil
  • Sissa Gabrielle Ribeiro Soares Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Saúde, Belém, Pará, Brasil
  • Tassia Salgado Soares Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Saúde, Belém, Pará, Brasil
  • Manoel Jaime Castro Pavão Júnior Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Saúde, Belém, Pará, Brasil
  • Orvácio Melo Bezerra Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Saúde, Belém, Pará, Brasil
  • Tássio Sampaio Maciel Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Saúde, Belém, Pará, Brasil
  • Fredison Pinheiro Farias Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Saúde, Belém, Pará, Brasil
  • Alexandre da Costa Linhares Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Virologia, Ananindeua, Pará, Brasil
Palavras-chave: Diarreia, Rotavírus, Antigenemia, Gastroenterite

Resumo

Os rotavírus (RV) são os principais agentes virais causadores de gastroenterite (GE) aguda na infância, sendo responsáveis por milhares de óbitos em crianças com diarreia, em âmbito global, especialmente nos países em desenvolvimento. Estudos recentes demonstraram a presença de antígenos de RV no soro (antigenemia) e nas fezes de animais e seres humanos, podendo esse achado estar relacionado a manifestações clínicas extraintestinais e maior gravidade da doença. Este estudo foi realizado em uma clínica infantil em Belém, Estado do Pará, Brasil, com o objetivo de detectar antigenemia causada por RV entre crianças hospitalizadas com GE aguda. De 566 crianças, foram coletadas 452 amostras pareadas de fezes e soro para análise por meio do método imunoenzimático (ELISA). A pesquisa de RV nas fezes revelou-se positiva em 24% (109/452) das amostras, sendo detectada antigenemia em 37,5% (41/109) desses pacientes. A gravidade da doença foi analisada utilizando-se o escore universal de Ruuska e Vesikari, não sendo observada diferença estatisticamente significativa entre os pacientes com e sem antigenemia (p = 0,120); entretanto, observou-se maior número de episódios e duração dos vômitos nos pacientes com antigenemia (p = 0,015 e p = 0,002, respectivamente). A antigenemia é frequente em crianças hospitalizadas com GE aguda causada por RV, em Belém, e está associada a um maior número de episódios e duração dos vômitos. Os resultados permitiram um melhor entendimento acerca da patogenia das rotaviroses, especialmente em crianças vacinadas. Entretanto, faz-se necessária uma análise mais abrangente envolvendo testes moleculares para complementação dos resultados alcançados no que tange aos genótipos envolvidos.

Publicado
2020-05-06
Seção
Artigo Original