Saúde indígena: contribuição da Seção de Hepatologia do Instituto Evandro Chagas desde a década de 1980

  • Heloisa Marceliano Nunes Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Hepatologia, Belém, Pará, Brasil
  • Manoel do Carmo Pereira Soares Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Seção de Hepatologia, Belém, Pará, Brasil
Palavras-chave: Hepatites Virais, Capilaríase Hepática, Soroprevalência, Indígenas

Resumo

Os primeiros trabalhos desenvolvidos no Instituto Evandro Chagas (IEC) envolvendo populações indígenas datam do final da década de 1980, quando foram diagnosticados, sorologicamente, casos de hepatite B e D em indígenas da etnia Munduruku. A partir desse evento, várias pesquisas foram realizadas envolvendo as hepatites virais entre grupos indígenas na Amazônia brasileira, assim como um estudo sobre capilaríase hepática em grupos indígenas do Estado de Mato Grosso. O objetivo deste trabalho foi apresentar as pesquisas realizadas na Seção de Hepatologia do IEC desde a década de 1980 até a presente data. O artigo foi desenvolvido baseando-se em publicações existentes no acervo do IEC e em trabalhos publicados em revistas especializadas. Foram selecionados 11 estudos que envolveram as etnias indígenas Munduruku, Yanomami, Kanamary, Jamamadi, Parakanã, Nambikwara, Kithãulu, Negarotê e Xikrin, os quais revelaram o status da saúde desses indígenas. Essas pesquisas demonstraram o comprometimento da saúde dos índios de diferentes etnias na Amazônia, contribuindo para o conhecimento das doenças hepáticas nessas populações para controle e acompanhamento.

Publicado
2020-04-29
Seção
Artigo Histórico