Avaliação das ações da vigilância de contatos domiciliares de pacientes com hanseníase no Município de Igarapé-Açu, Estado do Pará, Brasil

  • Diana da Costa Lobato Secretaria de Saúde do Estado do Pará, Belém, Pará, Brasil
  • Dilma Costa de Oliveira Neves Centro Universitário do Estado do Pará, Belém, Pará, Brasil
  • Marília Brasil Xavier Universidade do Estado do Pará, Belém, Pará, Brasil
Palavras-chave: Hanseníase, Vigilância em Saúde Pública, Transmissão de Doença Infecciosa

Resumo

A redução do risco de adoecimento entre os contatos domiciliares de casos é um dos alvos das ações de vigilância e controle da hanseníase. Esta pesquisa teve como objetivo avaliar as ações de vigilância de contatos de hanseníase no Município de Igarapé-Açu, Estado do Pará, Brasil, no período de 2004 a 2008. Foi realizado um estudo descritivo, retrospectivo, quantitativo e populacional, com informações geradas pelo Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan) e por protocolo de pesquisa próprio, tendo sido identificados 128 casos índices no Sinan municipal, dos quais 53 foram resgatados e entrevistados, ocasião em que 133 contatos foram identificados. Entre os casos índices predominaram o sexo feminino (68%), os maiores de 15 anos de idade (79%) e a forma operacional multibacilar (66%). Entre os contatos, a maioria era do sexo masculino (52,63%), tinha ensino fundamental completo (42,10%), solteiros (42,85%), desempregados (55,63%), com renda familiar inferior a um salário mínimo (60,15%) e com uma cicatriz da vacina BCG-ID (67,67%). A taxa de contatos não avaliados foi de 84 (63,16%), e destes, de acordo com a classificação operacional do caso índice, 56 (66,70%) foram contatos de casos multibacilar; 13 (37,14%) dos casos índices multibacilares foram contatos intradomiciliares de casos de hanseníase anteriores ao período estudado. O município estudado apresentou avaliação precária dos contatos intradomiciliares de acordo com os parâmetros do Ministério da Saúde, o que reforça a necessidade da intensificação das ações de vigilância e controle da hanseníase em municípios endêmicos/hiperendêmicos.

Publicado
2018-11-08
Seção
Artigo Original