Serovigilância para hantavírus em trabalhadores urbanos e rurais no Estado de Pernambuco, Brasil

  • Gesika Maria da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil
  • Júnior Mário Baltazar de Oliveira Universidade Federal Rural de Pernambuco, Garanhuns, Pernambuco, Brasil
  • Helena do Socorro de Oliveira Santos V Gerência Regional de Saúde, Garanhuns, Pernambuco, Brasil
  • Daniel Friguglietti Brandespim Universidade Federal Rural de Pernambuco, Garanhuns, Pernambuco, Brasil
  • Alessandra Abel Borges Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, Alagoas, Brasil
  • Nedja Poliane Torres Medeiros Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, Alagoas, Brasil
  • José Alfredo dos Santos-Júnior Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, Alagoas, Brasil
  • José Wilton Pinheiro, Junior Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil
Palavras-chave: Diagnóstico, Perfil de Saúde, Síndrome Pulmonar por Hantavirus

Resumo

O objetivo do presente estudo foi determinar a prevalência de anticorpos para hantavírus em profissionais responsáveis pela limpeza urbana (coletores de lixo, capinadores e varredores de rua), catadores de material reciclado e trabalhadores rurais no Município de Garanhuns, no Estado de Pernambuco, Brasil. Considerando a escassez de dados sobre hantavírus em Pernambuco, foi realizada uma análise descritiva, transversal, epidemiológica. Foram obtidas 156 amostras de trabalhadores de uma empresa de terceirização de limpeza urbana, catadores de material para reciclagem e trabalhadores rurais. O método ELISA foi utilizado para detecção de anticorpos IgG contra a proteína N do hantavírus Araraquara. A prevalência de anticorpos para hantavírus foi de 1,9% (3/156; CI 0,4% -5,5%). Após a conclusão da titulação, duas amostras de reagentes foram encontradas com títulos de 200 (66,7%) e 400 (33,3%). Todos os indivíduos soropositivos deste estudo eram do sexo masculino e de áreas urbanas. Este foi o primeiro estudo realizado no Município de Garanhuns para relatar a presença de anticorpos IgG para hantavírus em amostras de soro humano. Este resultado identifica a necessidade de uma atenção especial das autoridades de vigilância epidemiológica nas investigações da ocorrência desta doença em áreas não endêmicas.

Publicado
2018-11-08
Seção
Artigo Original