Análise do treinamento por reforçamento positivo para habituação de Sapajus apella em aparato experimental

  • Rafaela Martins Reis Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências e da Saúde, Laboratório de Neuroplasticidade, Belém, Pará, Brasil; Centro Nacional de Primatas, Ananindeua, Pará, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4174-8774
  • Leon Claudio Pinheiro Leal Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências e da Saúde, Laboratório de Neuroplasticidade, Belém, Pará, Brasil; Centro Nacional de Primatas, Ananindeua, Pará, Brasil https://orcid.org/0000-0002-7529-837X
  • José Augusto Pereira Carneiro Muniz Centro Nacional de Primatas, Ananindeua, Pará, Brasil https://orcid.org/0000-0003-2181-7637
  • Carlomagno Pacheco Bahia Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências e da Saúde, Laboratório de Neuroplasticidade, Belém, Pará, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3794-4710
  • Lane Viana Krejcová Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências e da Saúde, Laboratório de Neuroplasticidade, Belém, Pará, Brasil; Centro Nacional de Primatas, Ananindeua, Pará, Brasil https://orcid.org/0000-0001-8016-5283
Palavras-chave: Primatas, Bem-Estar do Animal, Comportamento Animal, Experimentação Animal, Reforço

Resumo

RESUMO

OBJETIVO:

Determinar o padrão de aprendizagem e as diferenças inter e intraindividuais observadas em treinamento para entrada voluntária e posicionamento de macacos Sapajus apella em aparato experimental (cadeira para primatas), bem como quantificar o tempo necessário para a obtenção dos resultados esperados.

MATERIAIS E MÉTODOS:

Participaram da pesquisa três macacos machos que foram submetidos a um período de dois meses de habituação aos experimentadores, seguido de sessões diárias de 20 min de treinamento por condicionamento operante, com o emprego das técnicas de clicker e reforçamento positivo por meio de recompensas comestíveis, pelo período de quatro meses. As sessões foram gravadas para posterior análise de parâmetros temporais e de frequência de apresentação dos comportamentos desejados.

RESULTADOS:

Análises interindividuais revelaram diferenças significativas na comparação dos escores obtidos para cada animal nas latências e frequências de apresentação dos comportamentos desejados. Análises intraindividuais comparando diferentes janelas temporais ao longo do período de treinamento revelaram diferenças significativas de desempenho dos animais nos diferentes períodos, refletidos nas curvas de aprendizado individuais que demonstraram alcance de platô para diferentes parâmetros comportamentais para cada animal.

CONCLUSÃO:

O reforço positivo se mostrou eficaz no treinamento para posicionamento na cadeira para primatas. Possivelmente, fatores individuais influenciaram de forma significativa os padrões de aprendizagem. A aplicação de técnicas de reforçamento positivo influencia positivamente a relação humano-primata e o bem-estar desses animais experimentais, apesar da necessidade de disposição de tempo para o alcance dos padrões comportamentais desejados, constituindo assim uma importante técnica de refinamento e manejo de primatas.

Publicado
2021-07-07
Seção
Artigo Original